Risoto!

I'M STILL WATCHING YOU ;P

Arquivos da Categoria: Opinião

Manual de Como Enriquecer no Capitalismo

Pra quem diz que só quem nasce com dinheiro fica rico, eu tenho uma teoria que contradiz isso.

Primeiro você precisa ter um mínimo de inteligência, precisa entender sobre a sociedade, a maneira como ela se comporta, precisa conhecer as classes sociais e os gostos delas, pois praticamente todos da mesma classe social tendem a consumir os mesmo tipos de produtos, conhecer o mercado capitalista é o essencial, seus meios de produção e como se conduzir uma massa de gente.

Para ser rico e esbanjar dinheiro você precisa ser uma pessoa controlada e mão fechada, pois se for um consumista pobre que não se controla e sai comprando tudo que vê em 90x no cartão, preste bem a atenção! Você não passa de mais um fantoche da sociedade! E nunca chegará nem perto de se tornar rico, se você for assim, pode parando por aqui mesmo. Reveja sua maneira de controlar seu dinheiro, pense que no futuro você poderá gastar o quanto quiser.

Você precisa se relacionar com pessoas que tenham o mesmo objetivo e padrões aqui estabelecidos por mim, amigos de verdade, quem você possa confiar cegamente, ou seja, uma mini sociedade de futuros capitalistas, onde vocês serão sócios e ajudarão um ao outro sem que deixe que ninguém perca sua riqueza. São com eles que você enriquecerá e eles enriquecerão com você à custa da massa de fantoches.

Tendo esses requisitos você está apto a ser um futuro capitalista milionário.

Primeiro Passo:

Como qualquer pessoa que não tem dinheiro de berço você precisará de dinheiro certo, de uma maneira que esse mínimo nunca falte, esse será o  piso do seu futuro castelo, então faça um concurso público que dê uma expectativa de crescimento do seu capital com o passar dos anos.

Gaste somente o essencial nesse período, não esbanje muito, não seja fantoche. Guarde pelo menos 40% do seu salário, explore o máximo os meios de você não gastar dinheiro, se possível more com seus pais para evitar pagar as contas sozinho. O mais importante é NÃO TER FILHOS, filhos você poderá ter depois que estiver rico.

Segundo passo:

Até você dar esse segundo passo você precisa ter certeza que essa é a hora certa.

A sociedade secreta. Lembre-se dos seus amigos, eles também querem o mesmo que você então vocês conquistarão juntos, Crie uma sociedade Alá Maçonaria, abra um negócio junto com seus amigos.

Esse é o primeiro contato com os fantoches, contrate-os e faça-os trabalhar para você.

Junte mais dinheiro…

Terceiro Passo: Administrando

Administrar bem e o essencial, não fique parado somente com um tipo de negócio, por exemplo, se você optou por abrir um restaurante, faça muitas franquias dele, isso ajudará no crescimento do seu capital, e lembre-se é seguro, pois você é membro de uma “sociedade secreta” e seus amigos tem o mesmo que você, então, se alguma hora você estiver por baixo, eles te ajudarão, ou então se algum deles estiver, não meça esforços para ajudá-los.

Com o passar dos anos suas franquias se tornarão uma rede e depois você começará a entrar em negócios maiores, como as organizações comerciais.

E lembre-se, não esbanje tanto dinheiro, ou então você passará sua vida inteira para conseguir tudo isso e no fim tudo ficará de bandeja para seus filhos e parentes aproveitarem de tudo que você conquistar.

Economizando, é uma maneira de  você acelerar a sua riqueza, e  no fim te sobrará mais tempo para aproveitar o que a vida tem de melhor.

Quarto passo: Entrando nos Grandes Negócios

Com o dinheiro das suas atividades pré-capitalista você poderá se iludir com uma onda de empolgação que o dinheiro o dará, pense bem, você ainda não chegou lá, você ainda não passa de um fantoche, pois você ainda trabalha com o produto pronto, sem ter contato com a produção diretamente, ou seja, você só repassa o que produzem.

Para realmente defecar dinheiro você precisa ter os meios de produção nas mãos, entrar em contado e administrar uma massa de fantoche muito maior e muitas vezes mais agressiva que os que você controla.

Para isso, sua sociedade “maçônica” precisa estar bem estruturada e com um capital de investimentos bem gordo.

Entre de cabeça na indústria ou na agropecuária, compre empresas, financie bancos, funde igrejas, empreste dinheiro a juros.

Na indústria você poderá usar a mão de obra dos técnicos que o Brasil terá daqui uns 5 anos. Busque a mão de obra no berço, não contrate macacos velhos, eles poderão te dar trabalho com sindicatos e reivindicações, use os alunos das escolas técnicas ainda no primeiro ano de formação, ensine-os a trabalhar do jeito que você quer que eles trabalhem, assim, você passará uma impressão boa e eles terão uma divida de gratidão muito grande com você.

Na agropecuária você precisará explorar o Nordeste e Centro-Oeste, são regiões em que se concentra uma grande massa de mão de obra barata pelo numero de pessoas que vivem nessa região, que são de no mínimo 5 por família, isso é um prato cheio para os capitalistas a procura de fantoches baratos, administre-os dêem-nos comida, se possível crie uma vila com uma igreja para essas pessoas viverem perto de seu trabalho e o mais importante, mantenha-os trabalhando para você.

Expanda suas franquias para as partes dessas regiões onde há bastante turismo, isso ajudará no capital da sua “sociedade”.

Fundar igrejas pode ser um bom negócio também, a fé costuma ser lucrativa. Mas cuidado, nessa área as pessoas podem ser mais perigosas e trapaceiras. É uma ironia, mas é a pura verdade, controlar o povo pode sair caro. Pensando bem,  esqueça essa ideia.

Empreste dinheiro a juros para outras empresas em expansão, se possível financie-as, compre 49% delas e deixe que os outros a administre

Quinto passo:  Curta Sua Riqueza

Agora você já está deve ter feito seu terceiro milhão e poderá relaxar comprando o que quiser por ai.

 

Anúncios

Bullying e Cyber Bullying

O Bullying ocorre na maioria das vezes com os adolescentes e adolescentes-adultos que não se encaixam em um padrão determinado (muitas vezes pela mídia). Na escola, alunos que não falam muito, que estudam mais que ou outros, tiram notas muito mais altas, que não são “bonitos” ou tem o físico fora do “padrão de beleza”, por exemplo, podem sofrer exclusão por parte dos  que convivem ou passam tempo junto (escola, faculdade, trabalho etc).

Hoje a internet já chegou quase a todas as pessoas e causa  fascino por parecer um lugar livre e imune de punições, sendo assim, praticam muitos atos que não praticariam em outro lugar, como o Bullying, por exemplo.

Esse grupo de “valentões” são na minha opinião, pessoas na maioria das vezes inseguras, alienadas, carentes de atenção, que vêem a oportunidade de se mostrar através da agressão (de uma forma geral), tem vezes essa agressividade é causada por pura crueldade.

Existe o Bullying “doméstico”, que pode ser praticado de forma inconsciente pelos próprios pais, tios, avós ou irmãos, através de apelidos indesejados, colocando em situações constrangedoras e agredindo com palavrões.

Todos os tipos de Bullyin causam sérias consequências na pessoa que sofre a agressão. As consequências causadas pelo Bullying são devastadoras, podendo causar uma decadência intelectual no individuo que sofre a agressão, fazendo-o cair o rendimento na escola, vontade se matar, violência, revolta. Alguns  acabam ficando tão ligado a esse problema físico ou outro tipo de problema que apontam nele que acaba entrando em depressão podendo até matar seus agressores.

Há um caso de Bullying que ficou muito famoso aqui no Brasil recentemente, foi o caso da Geisy Arruda que foi vaiada por seus “colegas” de faculdade por usar um vestido curto, mas nesse caso ela acabou usando isso pra se auto-promover e promover sua imagem para a fama.

Tem situações terminam em tragédia, como  o de Cho Seung-hui, chinês de 23 anos que no  dia 16 de abril de 2007 matou 32 pessoas e deixando mais quinze feridas na Universidade Estadual da Virgínia, em Blacksburg. Suicidou-se.

O possível motivo era o bullying enfrentado pelo estudante por seus colegas.

Vivência

Sofri Bullyin quando estava no Ensino Fundamental (5° e 6° série), por ser muito tímido e por mudar de escola várias vezes eu não conseguia fazer amizade fácil com os colegas. A agressão que sofri foi verbal, eles tiravam sarro por eu ser magro e por não falar muito, na época eu não retrucava, mas ligava pro que eles diziam isso fez eles se sentirem livres pra continuar a tirar sarro.

Com o tempo eles acabaram me conhecendo melhor e até tenho amizade até hoje com alguns.

Tenho um tio que é aquele tipo: “tio mala” que quase todos tem, que costuma colocar apelidos em todos e nem ligam pra se gostamos ou não de suas brincadeiras. Ele sempre me incomodou muito me colocando apelidos.

Hoje ele já não me incomoda mais, pois além de morar longe ele percebeu que eu já estou grandinho pra brincadeira.

Acredito que tive sorte, não sofri nenhuma complicação na formação do que eu sou hoje, como já morei em vários lugares eu percebi cedo, (desde os 14 anos mais ou menos) que em cada lugar que vamos há uma percepção diferente sobre as pessoas, meu julgamento acabou mudando e hoje chego a conclusão de que todas essas diferenças são causadas pelo ambiente que se vive e que isso influência no psicológico de cada um.

Tenho um amigo que sofria Bullying desde quando era pequeno. Não o vejo desde quando mudei pra Sorocaba. Quando viajo pro Rio pra visitar meus parentes amigos eu o vejo. Percebi que ele até não ligava mais pra o que diziam, mas mesmo assim  dava pra perceber que ele cresceu com um sentimento de inferioridade às outras pessoas graças aos apelidos que colocavam nele, ele sofria não só dos amigos, mas em casa por parte de seus pais. (eu deduzo isso por que reparava como a mãe dele o tratava).

As consequências dele são visíveis e irá marcá-lo pro resto da vida.

Já existe punição pra quem pratica o Bullyin no geral. As punições para o Bullying vão desde pagamento de multa, cesta básica, trabalhos sociais até penas mais duras.

Fãs malucos =S

Fanatismo (do francês “fanatisme“) é o estado psicológico de fervor excessivo, irracional e persistente por qualquer coisa ou tema, historicamente associado a motivações de natureza religiosa ou política. É extremamente freqüente em paranóides, cuja apaixonada adesão a uma causa pode avizinhar-se do delírio.

Em Psicologia, os fanáticos são descritos como indivíduos dotados das seguintes características:

1. Agressividade;
2. Preconceitos vários;
3. Estreiteza mental;
4. Extrema credulidade quanto ao próprio sistema, com incredulidade total quanto a sistemas contrários;
5. Ódio;
6. Sistema subjetivo de valores;
7. Intenso individualismo.

O apego e cultivo, mesmo quando desmesurado, por determinados gostos e práticas (como costuma ocorrer com colecionadores de selos, revistas, etc) não configura, necessariamente, fanatismo. Para tanto, faz-se preciso que a conduta da pessoa seja marcada pelo radicalismo e por absoluta intolerância para com todos os que não compartilhem suas predileções.

De um modo geral, o fanático tem uma visão-de-mundo maniqueísta, cultivando a dicotomia bem/mal, onde o mal reside naquilo e naqueles que contrariam seu modo de pensar, levando-o a adotar condutas irracionais e agressivas que podem, inclusive, chegar a extremos perigosos, como o recurso à violência para impor seu ponto de vista.

Tradicionalmente, o fanatismo aparece associado a temas de natureza religiosa ou política, porém, mais recentemente, ele se tem mostrado também em outros cenários, como os das torcidas de futebol. (Fonte: Wikipédia)

Desde tempos passados, esse sentimento de fanatismo acompanhou as épocas que a humanidade passou, mas com o tempo e pelas circunstâncias esse sentimento mudou de “estilo”. Por exemplo hoje em dia o que manda é a cultura pop. Tudo que é bonito de se ver, independente do que faça ou se tem algum fundamento ou não, vai ter uma explosão de sucesso que invade tudo. E derrepente…   PÁ!  Ta aquela merda toda espalhada por onde quer que você ande vai encontrar aquela coisa. O engraçado é que essa coisa só se espalha quando pessoas  “famosas” fazem a propagação através da mídia e dos outros meios de comunicação.

É simples enteder o porque isso acontece. Essas aberrações que fazem sucesso com o público (principalmente jovem) só estão lá pra fazer você comprar o produto que eles estão expondo como uma solução para seus problemas( pois você é induzido a pensar que se você não tem aquilo você não é feliz).

Sim, é triste, mas são só negócios ;P.

O fanatismo já levou a humanidade para um caminho bem obscuro, onde se viu guerras e brigas que duram até os dias de hoje. onde será que vamos parar seguindo esse estilo de vida que nos impoem regras e guias de felicidade falsa? ser fã é realmente isso?.

Não pergunte pra mim, isso eu não sei…

A bandeira da Palestina

A bandeira da Palestina aparece regulamentada por um decreto da OLP – Organização para a Libertação da Palestina, aprovada em 01 dezembro de 1964. Baseia-se, e é muito semelhante, com a bandeira da revolta árabe que projetou Sharif Hussein que a desenhou quando lutou contra o Império Otomano em Junho de 1916. Em 1917 o povo palestinino içou-a como símbolo do movimento nacionalista árabe.

A bandeira palestina é composta de três faixas horizontais de mesmo tamanho (preto, branco e verde), juntamente com um triângulo vermelho localizado na borda mais próxima do mastro. As cores das listras horizontais simbolizam o califado abássida, o califado da dinastia Omíada e o Califado fatímida. O triângulo vermelho representa a dinastia Hachemita que participaram na Revolta Árabe.

A Organização para a Libertação da Palestina, adotou esta bandeira como um símbolo dos palestinos em 1964 durante a celebração da conferência de palestinos em Jerusalém e em 15 de novembro de 1988, foi definida pela Organização para a Libertação da Palestina, quando foi proclamado o Estado da Palestina.

À Palestina, Guernica moderna, a solidariedade imorredoura de todos os progressistas do mundo.

Palestina, estamos contigo!

Aproveito para emendar a letra da música do Bruce Springsteen, postada na matéria anterior. Ela me foi enviada pelo Henrique Collares, grato amigo.

Hey nós vamos vencer, nós vamos vencer
Nós vamos vencer um dia
Querida aqui em meu coração, sim eu realmente creio
Que nós vamos vencer um dia

Bem, andaremos de maos dadas, andaremos de maos dadas
Andaremos de mao dadas um dia
Querida aqui em meu coração, sim eu realmente creio
Que nós andaremos de maos dadas um dia

Bem, viveremos em paz, viveremos em paz
Viveremos em paz um dia
Querida aqui em meu coração, sim eu realmente creio
Que viveremos em paz um dia

Bem, não estamos com medo, nao estamos com medo
Nós vamos vencer um dia
Sim bem aqui em meu coração, eu tenho fé
Nõs vamos vencer um dia

Hey nós vamos vencer, nós vamos vencer
Nõs vamos vencer um dia
Querida aqui em meu coração, eu realmente creio
Que nós vamos vencer um dia
Que nós vamos vencer um dia

logo_palestinaR.jpg Palestina image by savepalestine

Ataque aéreo à Civis no Iraque em 2007….

Assassinato colateral

WikiLeaks em 05 de abril 2010 o governo norte americano liberou um vídeo militar dos E.U. que descreve a execução indiscriminada de 12 pessoas  no subúrbio iraquiano de Nova Bagdá — incluindo a equipe de funcionários de  notícias da Reuters.

A Reuters tem tentado obter o vídeo com a liberdade de ato da informação, sem sucesso desde a época do ataque. O vídeo, tiro de um helicóptero  Apache, mostra claramente a execução  de um empregado ferido de Reuters e de seus salvadores. Duas crianças  envolvidas no salvamento foram feridas  seriamente.As forças armadas não revelaram como a equipe de funcionários de Reuters foi morta, e dizam que não souberam as crianças que foram feridas.

Após demandas por Reuters, o incidente foi investigado e as forças armadas dos E.U. concluíram que as ações dos soldados eram de acordo com a lei de conflito armado e de seu próprio ” Régras de Engagement”.

Consequentemente, WikiLeaks liberou as regras  para 2006, 2007 e 2008, revelando   antes, durante, e após a matanças. WikiLeaks liberou o vídeo original de 38 minutos e uma versão mais curta com uma análise inicial. Os subtítulos foram adicionados a ambas as versões das transmissões de rádio. WikiLeaks obteve este vídeo assim como documentos justificativos de um número de assobiadores militares. WikiLeaks  verifica a autenticidade da informação que recebe.Analizaram  a informação sobre este incidente dos uma variedade de material de fonte. Falaram com as testemunhas e aos journalistas envolvidos diretamente no incidente. WikiLeaks quer assegurar-se de que toda a informação que escapada recebe começ a atenção merece. Neste caso particular, algumas das pessoas mortas eram os journalistas que faziam simplesmente seus trabalhos.

Lula sobre diplomacia do Brasil com outros países

Lula sobre diplomacia: “sou baixinho, mas povo brasileiro não é”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a defender nesta quarta-feira (31) a mediação do Brasil em conflitos internacionais, como no impasse entre árabes e israelenses ou nas negociações sobre o programa nuclear do Irã, e disse que a participação do governo brasileiro não reflete posições de “amizade”, e sim manifestações de interesses políticos. “Pelo meu jeito de ser, pacífico, tranquilo, amigo de todo mundo, abraço o Obama (Barack Obama, presidente dos Estados Unidos) e o Chávez (Hugo Chávez, presidente da Venezuela), cumprimento o Sarkozy (Nicolas Sarkozy, presidente da França) e o Ahmadinejad (Mahmoud Ahmadinejad, presidente do Irã). Um chefe de Estado não escolhe amizades, discute interesses. Não é questão de amizade. E tem gente que se incomoda: ‘que baixinho metido, será que ele não se enxerga?'”, disse o presidente Lula ao dar posse a dez ministros de Estado. “Sou baixinho, mas o povo brasileiro não é. O povo brasileiro não é. Não aceitamos a supremacia de uma nação sobre a outra, dos que têm dinheiro contra os que não têm, dos que acham que em uma outra geopolítica são os donos da decisões mundiais”, condenou Lula. O presidente Lula defendeu, em visita ao Oriente Médio, que o Brasil tinha “credenciais” suficientes para atuar na busca de uma solução de paz entre árabes e israelenses. O diretor político da chancelaria de Israel, Rafael Barak, chegou a enviar recados ao Brasil de que o conflito entre Jerusalém e os territórios palestinos ocupados deve ser conduzido por meio de uma “negociação direta”, “uma negociação de um para um, sem mediações”. Opositor da posição dos Estados Unidos de tentar aplicar sanções ao governo do Irã por desenvolver um programa nuclear considerado duvidoso, o Brasil também defende a tese de que a adoção de penalidades contra Teerã pode ser completamente contraproducente.

Marco Aurélio: Brasil não está em cima do muro

Ainda nesta quarta-feira, o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, afirmou que o País “não está em cima do muro” sobre um posicionamento mais forte em questões como o programa nuclear iraniano e a situação de presos políticos em Cuba. “Não queremos ser seletivos. Precisamos saber como tratar isso, se fizermos uma declaração estrepitosa (escandalosa), vamos ser aplaudidos, mas não vamos obter nenhum resultado concreto, pelo contrário. Não nos omitimos, mas temos que saber como dosar e como contribuir a longo prazo”, disse. Ao participar de entrevista a emissoras de rádio durante o programa Brasil em Pauta, Marco Aurélio explicou que a estratégia brasileira é de não intervir em assuntos internos de outros países e que isso é válido para Cuba, China e qualquer outra nação onde haja denúncias sobre violação de direitos humanos. “Achamos que a melhor maneira de intervir positivamente não é soltando foguete. A tendência normal do País é reagir, se enclausurar e não dar atenção a isso”, afirmou, ao citar como exemplo o embargo econômico imposto pelos Estados Unidos a Cuba. “Aquilo que os Estados Unidos queriam lograr com isso não conseguiram, pelo contrário, conseguiram simplesmente uma retração maior do governo cubano. Achamos que são muito mais úteis negociações discretas”, disse. Sobre a visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Irã em maio, Marco Aurélio afirmou que será cobrada a submissão iraniana às verificações da Agência Nacional de Energia Nuclear. Lula deve pedir ainda maior participação do País para a solução de conflitos no Oriente Médio.

Irã: Algumas Histórias que a mídia não conta

Vídeo produzido por ONGs americanas revela a história do Irã que a mídia não conta. Especialistas defendem que o golpe, protagonizado pelas forças americanas e britânicas em 1953, não deu fim apenas ao mandato do então primeiro-ministro iraniano Mohammed Mossadegh, mas também foi fatal para a consolidação da democracia no país. “É preciso que os EUA reconsiderem a sua relação com Irã”, defendem, em coro, todos os entrevistados.

Texto:www.vermelho.org.br

Loose Change

Amigos e amigas, os ataques de 11 de setembro ficaram conhecidos(a mídia disse) como um ataque terrorista comandado pela Al Qaeda por Osama Bin Laden, mas NUNCA! conseguiram provar definitivamente isso… Além disso até hoje não explicaram como um prédio capaz de aguentar o impácto de 2 aviões daqueles virou pó, além disso eles afirmam que as caixas preta(são quase indestrutíveis) dos aviões não foram encontradas por terem sido desintrgradas pelo calor das explosões .. mas pera ai, como então eles acharam o passaporte de um dos “terroristas” já que um passaporte pelo que eu sei é feito de papel???…. essas e Muitas outras questões nunca foram respondidas…

Por que os EUA Fariam isso com eles mesmos??

pra quem não lembra o presidente era o Bush, que tem uma família que tem uma forte ligação com os Árabes. A questão é simples, os EUA queriam um motivo para invadirem o afeganistão(Regiões que retem as maiores reservas de petróleo do mundo) ai então decidiram fazer uma operação Falsa Bandeira….

Minha afirmação não tão superficial assim… veja esses videos:

Zeitgeist the Movie

Legião Estrangeira Francesa


LEGIÃO ESTRANGEIRA FRANCESA
A lendária Legião Estrangeira Francesa é uma unidade militar da França, criada no século XIX, pelo rei Louis Philippe em 1831, para servir nas colônias francesas e, atualmente, constitui um corpo de elite do Exército Francês. É a mais famosa tropa de elite no mundo. A maioria de seus oficiais são franceses e, de modo geral, seus soldados são voluntários estrangeiros com formações diversas, que prestam juramento de lealdade à Legião e não à França, embora possam se tornar seus cidadãos após cinco anos de serviço. Essas tropas não tinham autorização de ingressar na França, em tempo de paz, e ficavam destacadas numa guarnição baseada na Argélia, o que ocorreu até a independência do país em 1962, estando baseada, atualmente, em Aubagne, na região de Provença, França. O seu principal objetivo, quando de sua criação, foi defender os interesses da França, junto às suas colônias na África, no oceano Pacífico, na América do Sul e no Caribe.

O decreto de 10 de março de 1831, assinado pelo rei Louis Philippe, a conselho do marechal Soult, Ministro da Guerra, denominando as tropas estrangeiras que estavam sob o controle da França, como Legião Estrangeira Francesa, tinha o seguinte texto:
Louis Philippe, Roi des Français. Ordennance du 10 Mars 1831. A tours, présents et à venir, salut. Sur le rapport de nobre Ministre, Secrétaire d’Etat au Département de la Guerre, Nous avons ordonné et ordonnons ce qui suit: Il sera formé une légion compossé d’etrangers. Cette Légion prenda la dénomination de Légion Etrangère.”
Com esta medida, o governo francês esperava que uma força, composta principalmente por estrangeiros, pudesse absorver a massa de refugiados que nos últimos anos vinha inundado o país. Pesou na decisão a possibilidade de a nova força poder ser enviada para defender os interesses neocoloniais Franceses na Argélia, liberando as tropas regulares para proteger a figura do rei no trono da França.

De início, a Legião constitui-se em um meio eficaz para afastar os elementos mais indesejáveis da sociedade francesa do século XIX. As suas fileiras foram preenchidas com criminosos, fugitivos, mendigos e imigrantes indesejados. A formação de um legionário, à época, era muito precária, equipamentos, vestuários, alimentação e soldo eram sumários, razões que não despertavam lealdade ou motivação. Os homens que ingressavam na Legião, faziam-no mais por desespero ou instinto de sobrevivência do que por patriotismo. Por essa razão, as primeiras campanhas provocaram severas perdas entre as suas fileiras. Para contornar esses problemas imediatos a Legião desenvolveu uma disciplina muito severa, excedendo, em muito, aquela imposta às tropas francesas regulares.
O batismo de fogo da Legião deu-se à 27 de abril de 1832, durante as operações do 3º Batalhão, na Argélia, integrado por suíços e alemães. Em novembro do mesmo ano a Legião enfrentaria um novo oponente, Adl El-Kader, que combatia pela liberdade da Argélia, na batalha de Sidi-Chabal.
Durante a Guerra Carlista, o ministro do Interior francês, Adolphe Thiers, convenceu o seu governo a enviar a Legião Estrangeira para a Espanha, com a finalidade de auxiliar a rainha Isabel II da Espanha. A 8 de junho de 1835, o rei Louís Philippe deu sua autorização, sendo a Legião desligada do Exército francês a 28 do mesmo mês. No dia seguinte, a Divisão Francesa Auxiliar assim composta, rumou para o novo destino. Nas batalhas que enfrentou, sem novo recrutamento, mal equipada e mal remunerada, a Divisão combateu sem reforços até que, em 1839, a rainha espanhola deu licença aos seus últimos sobreviventes. Ainda em 1835, a 16 de dezembro, o soberano francês criou uma nova Legião Estrangeira, passando a antiga a ser conhecida como “a antiga Legião“. Formaram-se, desse modo, três batalhões, para sustentar as posições francesas na Argélia.
A nova Legião lutou no norte da África, na Guerra da Criméia (1853-1856), na Itália (1859), no México (1863), na Guerra Franco-Prussiana (1870) e em muitas campanhas coloniais. Do mesmo modo, teve papel importante nas duas guerras mundiais, consolidando a sua reputação. Na Primeira Guerra Mundial (1914-1918) perdeu 115 oficiais e 5.172 legionários, sendo o seu Regimento de Marcha o mais condecorado do Exército francês. Na Guerra da Indochina, na Batalha de Dien Bien Phu (1954), sete batalhões da Legião foram subjugados pelo Vietminh, sem jamais se renderem. Posteriormente atuou novamente na Argélia e na crise do Canal de Suez (Egito, 1956).
Dois regimentos integraram a “Brigada Estrangeira“, engajando-se na batalha de Alma (20 de setembro de 1854) e no cerco a Sebastopol durante o Inverno de 1854-1855. Nesta fase da campanha, a falta de equipamento foi particularmente sentida e o cólera dizimou o corpo expedicionário. Entretanto, os “barrigas de couro” (apelido dado pelos russos aos Legionários uma vez que usavam a sua cartucheira sobre o ventre) comportaram-se bravamente. A 8 de setembro, lançou-se o assalto final e o 1º e o 2º Regimentos Estrangeiros, com suas bandeiras, desfilaram pelas ruas de Sebastopol conquistada.

Afirma-se que a participação da Legião na Campanha do México decorreu como punição a uma petição formulada pelos seus oficiais, dirigida ao ministro da Guerra. De qualquer modo, o regimento enviado desembarcou a 25 de Março de 1863, recebendo a missão de escoltar comboios de suprimentos entre Veracruz e Puebla. Foi neste contexto que a 3ª Companhia se cobriu de glória no chamado combate de Camerone, a 30 de abril.
A 3 de julho de 1866, as 3ª e 5ª Companhias do 4º Batalhão engajaram-se em um combate comparável ao de Camerone. Sob as ordens do capitão Frenet, cento e vinte e cinco legionários cercados na Hacienda de Incarnacion bateram-se durante quarenta e oito horas vitoriosamente contra uma força de mais de seiscentos mexicanos.
O acordo originalmente celebrado com o imperador Maximiliano do México estipulava que a Legião Estrangeira deveria ficar a serviço do México. Entretanto, como a campanha francesa naquele país se converteu num desastre, os sobreviventes retornaram à França. O total de perdas na campanha ascendeu a vinte e dois oficiais, trinta e dois suboficiais e quatrocentos e quatorze legionários.
Com a eclosão da Guerra franco-prussiana (19 de julho de 1870), que se desenvolveu em solo francês, confrontando a França e a Prússia, a Legião, por princípio, não deveria intervir. Adicionalmente, não seria correto solicitar aos legionários de língua alemã, que se batessem contra seus irmão de língua. Entretanto, a situação tornou-se tão crítica que o governo francês fez uma chamada aos legionários na Argélia.
Dois batalhões foram formados para partir para a Metrópole. Os legionários alemães, a bandeira do regimento e a banda de música permaneceram guarnecendo Sidi-Bel-Abbès. Neste período, um 5º batalhão foi formado em solo francês para incorporar os estrangeiros que quisessem servir a sua pátria de adoção. Este se distinguiu particularmente por sua bravura quando da batalha de Orléans, a 10 de outubro.
Os batalhões chegados da Argélia mesclaram-se com os sobreviventes dos combates de Orléans, mas conheceram a derrota diante do invasor. Os remanescentes da unidade participaram na repressão à Comuna de Paris, entre abril e maio de 1871. A 11 de junho, o regimento estrangeiro constituído para o conflito deixou de existir e os demais remanescentes retornam para o quartel-general da Legião, na Argélia.
A 18 de novembro de 1883, uma primeira força de seiscentos legionários desembarcou no golfo de Tonkin, juntando-se às forças do almirante Courbet que lutavam contra os Pavilhões Pretos (do chinês “Hei qi jun”), tropas vietnamitas irregulares empregadas pelos Chineses na Indochina contra os Franceses.

Em 1954, as tropas da Legião foram enviadas para colaborar na defesa de Dien Bien Phu, no nordeste do Vietnã, contra os comunistas que lutavam pela independência. Dos cerca de 17.000 homens da guarnição, 10.000 eram Legionários. Cercados pelos vietnamitas, suportaram oito semanas de bombardeio de artilharia antes do ataque final. Nas últimas horas de batalha, quatrocentos legionários foram forçados a lutar à baioneta, tendo apenas setenta sobrevivido.
Em 1961, após uma prolongada luta contra os nacionalistas argelinos, o 1º Regimento de Pára-quedistas Estrangeiro rebelou-se contra a decisão do governo francês de se retirar do Norte de África, onde a Legião tivera o seu Quartel-General durante mais de um século.

INGRESSO NA LEGIÃO ESTRANGEIRA ATUALMENTE
O processo seletivo é feito unicamente no quartel do 1º Regimento Estrangeiro em Aubagne, cidade a cerca de vinte quilômetros de Marselha, no sul da França.

Alternativamente, informações podem ser obtidas em um Posto de Informações da Legião Estrangeira (PILE), disponíveis nas cidades francesas de Aubagne, Bordeaux, Lille, Lyon, Marseille, Metz, Nantes, Nice, Paris, Perpignan, Reims, Rouen, Strasbourg e Toulouse.
No continente sul-americano não adianta apresentar-se ao quartel do 3º Regimento Estrangeiro, na Guiana francesa, ao norte do Brasil, especializado em combate na floresta tropical, pois os custos de trajeto (ida e volta) são por conta do próprio candidato.

CONDIÇÕES PARA O INGRESSO:
ser do sexo masculino;
ter entre dezoito e quarenta anos;
portar um documento de identidade válido internacionalmente, ou seja, um passaporte com visto de turista com prazo de permanência mínimo de três meses;
ser solteiro;
ser alfabetizado no seu país (idioma) de origem.
Em qualquer PILE em que um candidato se apresente fará um exame pré-seletivo, em um hospital local, militar ou civil. Caso aprovado, o candidato aguardará no próprio PILE que se forme um grupo com “n” candidatos, a serem encaminhados ao quartel do 1º RE em Aubagne. Nesse ínterim, os candidatos farão serviços de limpeza e manutenção geral, coordenados pelo pessoal local. O grupo formado, enviado a Aubagne, ficará alojado em regime fechado no Centro de Seleção e Incorporação (CSI), e ali receberá escova e pasta de dentes, sabonete, toalha, cueca, agasalho esporte e cama, enquanto faz os testes definitivos de aptidão para engajar-se.
Legião, atualmente, divide-se em regimentos de dez companhias, algumas especializadas (reconhecimento, morteiros, blindados leves, e outras).
1e. Régiment Étranger (1º Regimento Estrangeiro), em Aubagne, França.
4e. Régiment Étranger (4º Regimento Estrangeiro), em Castelnaudary, França.
5e. Régiment Étranger (5º Regimento Estrangeiro), na Polinésia francesa, no sul do oceano Pacífico (esta unidade foi dissolvida em 30 de junho de 2000).
1e. Régiment de Étranger Cavalerie (1º Regimento de Cavalaria Estrangeiro), em Orange, França.
2e. Régiment d’Infanterie de Étranger (2º Regimento de Infantaria Estrangeiro), em Nimes, França.
3e. Régiment d’Infanterie de Étranger (3º Regimento de Infantaria Estrangeiro), em Kourou, Guiana francesa.
2e. Régiment de Étranger Parachutistes (2º Regimento de Pára-quedistas Estrangeiro), em Calvi, ilha da Córsega.
1e. Régiment de Étranger Génie (1º Regimento Estrangeiro de Engenheiros de Combate), em Laudun, França.
2e. Régiment de Étranger Génie (2º Regimento Estrangeiro de Engenheiros de Combate), em Marseille, França.
13e. Démi-brigade de la Légion Étrangère (13ª Meio-brigada da Legião Estrangeira), em Djibouti, África.
Détachement de la Légion de Étrangère de Mayotte (Destacamento da Legião Estrangeira de Mayotte), em Dzaoudzi, ilha de Mayotte.
O regimento mais conhecido é o 2º Regimento Estrangeiro de Pára-quedistas, com quatro companhias de combate, que se orgulha de poder montar uma operação para qualquer parte do mundo em apenas 24 horas.
O uniforme dos legionários segue o padrão das demais unidades francesas, acrescido do característico quepe de cor azul, envolto em um pano branco para proteção contra o sol e a areia do deserto, com a parte de cima de cor vermelha e emblema dourado. Em combate, usa-se o uniforme camuflado padrão, normalmente com boinas de cor verde.
O lema da Legião é: “Legio Patria Nostra” (A Legião é nossa pátria).

CÓDIGO DE HONRA DO LEGIONÁRIO:
Legionário, tu és um voluntário, servindo a França com honra e lealdade.
Cada legionário é teu irmão de arma seja qual for a sua nacionalidade, a sua raça, a sua religião. Tu manifestas sempre a estreita solidariedade que deve unir os membros de uma mesma família.
Respeitador das tradições, fiel aos teus chefes, a disciplina e camaradagem são a tua força, o valor e a lealdade tuas virtudes.
Fiel ao teu estado de legionário, tu o mostras na tua farda sempre elegante, teu comportamento sempre digno mas modesto, teu aquartelamento sempre limpo.
Soldado de elite, tu treinas com rigor, cuida da tua arma como o teu bem mais precioso, cuida permanentemente da tua forma física.
A missão é sagrada. Tu a executas até ao fim, a qualquer preço.
No combate, tu ages sem paixão e sem ódio, tu respeitas os inimigos vencidos, nunca abandonas nem os teus mortos, nem os teus feridos, nem as tuas armas.

O item 6 do código de honra do legionário foi recentemente mudado: onde a versão primitiva afirmava “a tout prix” (“a qualquer preço“), a nova versão afirma “no respeito das leis, dos costumes da guerra, das convenções internacionais e se for necessário, ao perigo da tua vida“. Esta versão foi introduzida para evitar interpretações errôneas do artigo, já que a Legião participa atualmente de inúmeras missões humanitárias, juntamente com a ONU.
Ao longo da história da Legião, muitos homens têm-se alistado por diversas razões, na maior parte das vezes porque não têm para onde ir. Como nobres falidos, criminosos ou soldados profissionais que preferiam combater, eram aceitos. Sob determinadas circunstâncias até lhes eram oferecidas novas identidades. Na sua maioria mantiveram os nomes, mas é uma questão de honra nunca comentar o passado de um Legionário.
Uma vez na Legião, os recrutas aprendem além da disciplina e das técnicas de combate que só podem contar consigo próprios durante os cinco anos do contrato inicial. Sempre lhe foram atribuídas as missões mais duras do Exército francês; sabem que não existem enquanto indivíduos e que são dispensáveis; não têm para onde ir e nem nada a perder, por essas razões lutam até ao último homem.
Hoje em dia os recrutas são objeto de investigação para garantir que não se alistem para fugir da justiça por crimes graves. Os infratores menores podem por vezes ser aceitos. Pela lei francesa, a Legião Estrangeira pode negar a existência de qualquer indivíduo a seu serviço e, quem denunciar a verdadeira identidade de um legionário, é incriminado segundo o Código Penal francês.

CURIOSIDADES A RESPEITO DA LEGIÃO
Atualmente registra-se um renascimento do orgulho de ser Legionário, e mais de uma centena de nacionalidades encontram-se representadas nas suas fileiras. Diferentemente do passado, a atual Legião representa uma instituição mais sóbria, profissional e menos perigosa, que guarda muitas curiosidades.
Quando o primeiro batalhão da Legião desembarcou na Argélia a idade de seus integrantes variava entre os dezesseis e os sessenta anos. Envergavam uniformes diferentes e antiquados. Meses depois, quando o segundo batalhão chegou, cerca de trinta e cinco homens desertaram imediatamente. Ainda nesse período, uma companhia embriagada provocou um motim, sendo os líderes sumariamente executados.
Na sua primeira batalha, vinte e oito Legionários sustentaram uma posição próxima a Argel, tendo sobrevivido apenas um. Iniciava-se a mística que passaria a envolver a Legião, uma vez que as autoridades louvaram como heróis os Legionários mortos em combate. Ao mesmo tempo enviavam oficiais e sargentos do Exército Francês para impor a disciplina de combate na Legião.

CAMERONE
Na batalha de Camerone, campanha do México,, a 30 de Abril de 1863. A 3ª Companhia, composta por sessenta e dois soldados e três oficiais sob o comando do capitão Danjou, foi atacada por três batalhões mexicanos, compostos por infantaria e cavalaria, sob o comando de um coronel de nome Milan, forçando os legionários a se defenderem na Hacienda Camerone. Apesar de estarem em desvantagem, os legionários lutaram até ao fim, tendo resistido por dez horas e trinta minutos, tempo suficiente para que uma coluna de sessenta carroças e cento e cinqüenta mulas com peças de artilharia, medicamentos, víveres e francos franceses, escoltada por duas outras companhias de legionários, chegasse até Puebla.
Percebendo que o comboio ia se distanciando Milan exclamou: “Non sun hombres, sun demônios!” (Não são homens, são demônios!).
Decididos a combater até ao fim, Danjou foi mortalmente ferido na cabeça (outras fontes sustentam que foi no peito), Vilain, que assumiu o comando, teve o mesmo fim, e quatro legionários executaram um último ataque a baioneta, sendo mortos. Restando apenas doze legionários, os mexicanos ofereceram-lhes nova oportunidade de rendição, que só foi aceita com a condição de poderem retornar à base com a sua bandeira e o corpo de Danjou. Milan concordou com os termos dos franceses.
Do lado mexicano pereceram trezentos homens. No dia seguinte quando os franceses foram enterrar os seus mortos, encontraram um legionário semi-vivo, um tambor de nome Lai, que tinha em seu corpo sete ferimentos a lança e dois a bala. Posteriormente Lai foi condecorado com a cruz da Legião de Honra, devendo-se a ele relatos sobre a batalha.
Em decorrência dessa batalha Napoleão III, da França, determinou inscrever na bandeira de todos os regimentos estrangeiros a inscrição “Camerone 1863“. Todos os militares franceses passaram a fazer a apresentação de armas ao passar pelo local da batalha em gesto de homenagem. Em 1892 foi construído um monumento com uma inscrição em latim rezando: “Eles foram, aqui, menos de sessenta, opostos a todo um exército que lhes destruiu a vida antes que a coragem abandonasse seus soldados franceses“.
A prótese de madeira da mão esquerda que o capitão Danjou usava, encontra-se atualmente no museu da Legião Estrangeira. Na festa em homenagem à batalha de Camerone ela é levada pelo oficial superior e passa diante de todos os soldados em formatura.
A mística, o romantismo e o ideal que move quem procura ingressar na legião estrangeira, refere-se, mais, a quem quer romper com o seu passado, começar uma vida nova . A Legião Estrangeira oferece uma oportunidade única. Sejam quais forem as origens, religião, nacionalidade, os diplomas e nível escolar, situação familiar ou profissional, a Legião estrangeira oferece uma nova oportunidade para uma vida nova.
Atualmente, na Legião Estrangeira, existe 7699 quadros de especialidades e legionários oriundos de 136 países diferentes inclusive da França, onde a Honra e Lealdade são valores fundamentais.
O efetivo da legião, consiste de 7699 homens distribuídos da seguinte forma : 413 oficiais, 1741 sargentos e 5545 legionários constituindo 11 regimentos.
A Legião Estrangeira, atua na França (projeções interiores, manobras, exercícios) mas também nos departamentos e territórios ultramar (Guiana, Nova Caledónia, Mayotte, Reunião, Antilhas…) ou ainda em operações exteriores., onde faz a manutenção ou restabelecimento da paz, interposição ou controle de multidões, os legionários sempre adaptam-se a todas as missões que lhes foram atribuídas (1990-91 : Guerra do Golfo, 1992-93 : Camboja, Somália, 1994 : Ruanda, 1993-2003 : Bósnia, Kosovo, Macedónia, 1996 : República Centro-africana…).
Atualmente, os legionários estão empenhados ou já estiveram, em missões no Afeganistão, Kosovo, Chade, Costa de Marfim e em todos os pontos onde a França precisa deles e sejaqual for a zona de empenhamento, na França metropolitana, nos departamentos ou territorios ultramar, em missões de curta duração ou em operações no exterior, o seu lema é o código de honra do legionário.